terça-feira, 8 de maio de 2018

Jack Unterweger

John "Jack" Unterweger nascido em 16 de agosto 16 de 1950 em Judenburg, Steiermark, foi um escritor austríaco e serial killer que assassinou prostitutas em diferentes países. Foi condenado pela primeira vez por um assassinato em 1974, ele foi solto em 1990, devido a uma campanha de intelectuais e políticos, que julgavam Unterweger um exemplo de reabilitação.Ele se tornou um jornalista e uma celebridade menor, mas alguns meses depois de sua libertação começou a matar novamente. Filho de mãe austríaca e de um soldado americano desconhecido, Unterweger cresceu na pobreza, com seu avô, a quem descreveu como um alcoólatra violento. A tia de Unterweger, no entanto, contradisse esta informação sobre o seu avô, afirmando que Unterweger cresceu em uma família pobre, mas muito amorosa e carinhosa.



Ele passou sua juventude entrando e saindo de reformatórios por crimes pequenos e por assaltar prostitutas locais. Em 1974, Unterweger assassinou duas garotas e foi condenado à prisão perpétua. Enquanto estava na prisão, Unterweger que chegou lá analfabeto passou seu tempo na cadeia aprendendo a ler e a escrever. Ele não só se tornou um bom leitor, mas arriscou-se a escrever, tornou-se escritor de contos, poemas, peças de teatro e uma autobiografia, Fegefeuer - eine Reise ins Zuchthaus, que além de se tornar um “best seller”, oi adaptada para o cinema. Graças as suas obras, intelectuais austríacos, incluindo o escritor e vencedor do Prêmio Nobel de 2004, Elfriede Jelinek, fizeram petições de libertação para Unterweger. Ele foi solto em 23 de maio de 1990, depois de apenas 15 anos de sua vida na prisão, eles consideravam um exemplo de total reabilitação. Após a sua libertação, Unterweger apareceu por muito tempo em diversos programas de televisão que discutiam a reabilitação criminal.

Em 15 de setembro de 1990, pessoas que estavam caminhando ao longo do rio Vitava River, na antiga Tchecoslováquia, perto de Praga, encontraram o corpo de uma jovem mulher. Blanka Bockova foi a primeira vítima de Jack Unterweger após sua libertação. Ela foi deixada em um estado degradante, deitada de costas, nua, com os pulsos amarrados, com um par de meias cinzas atadas no pescoço. Suas pernas estavam abertas e ela foi coberta com folhas secas. Na noite anterior, ela tinha saído para beber com amigos na Wenceslas Square e permaneceu com eles no bar até cerca de 23h45min. Ela foi vista pela última vez conversando com um homem, com idade em torno de 40, mas ninguém soube oferecer mais detalhes. Bockova era uma boa menina, não era uma prostituta. Algumas semanas depois Brunhilde Masser, uma prostituta conhecida de Graz, foi dada como desaparecida. Como a Áustria tinha muito poucos problemas com prostitutas, as autoridades ficaram preocupadas. Dois meses depois, no início de Dezembro outra prostituta, Heidemarie Hammerer, também desapareceu. Na véspera de Ano Novo, quase um mês após seu desaparecimento, seu corpo foi encontrado por alpinistas em uma floresta fora da cidade.

 Assim como no primeiro assassinato, ela também foi encontrada deitada de costas e coberta com folhas secas e espinhos. Parecia que o corpo tinha sido vestido novamente e arrastado pelas matas. Apesar de não estar despida, suas pernas estavam nuas e um pedaço do seu batom foi encontrado dentro de sua boca. Hammerer, assim como Blanka Bockova, tinha sido estrangulada com um par de meias e também exibia hematomas e marcas de cordas em seus pulsos, o que sugere que ela tinha sido amarrada. Várias fibras vermelhas em suas roupas, que não correspondem a nada que ela estava vestindo apareceram como provas deixadas pelo possível assassino. Poucos dias depois o corpo que estava faltando, o da prostituta Brunhilde Masser foi encontrado. O corpo que estava em decomposição foi também encontrado em um bosque em Bregenz. Novamente, não havia sinais de roubo e sua maneira de correspondia à morte dos dois outros assassinatos.Tudo começou a mudar quando outra prostituta, Elfriede Schrempf, desapareceu em Graz, no dia 7 de março de 1991.

Os pais de Schrempf chamaram a polícia para comunicar que um homem tinha ligado para a casa da família diversas vezes e os insultava, falando do trabalho de sua filha. A polícia conclui que a pessoa que estava ligando poderia ser responsável pelo desaparecimento. Em 5 de outubro de 1991, o corpo de Schrempf foi encontrado como os outros em uma área florestal nos arredores de Graz. Só tinha sobrado o esqueleto, e novamente, o corpo estava coberta de folhas. A polícia notou que estava lidando com um serial killer, quando quatro prostitutas desapareceram, desta vez em Viena. Silvia Zagler, Sabine Moitzi, Regina Prem e Karin Eroglu tinham desaparecido num período de tempo de um mês. O corpo de Sabine Moitzi foi descoberto em 20 de maio de 1992, em seguida foi descoberto o corpo de Karin Ergolu. Ambas as mulheres tinham sido estranguladas e jogado numa floresta nos arredores de Viena. Novamente o Modus Operandi do assassino era o mesmo, as vítimas tinham sido asfixiadas com uma peça da própria roupa. Um fato de repente, trouxe à tona várias coisas. O investigador o investigador de policia aposentado August Schenner, de 70 anos, lembrou uma série de assassinatos e ataques que ele tinha tratado na década de 70.

 As cenas dos crimes e as causas das mortes eram muito semelhantes aos assassinatos que tinham ocorrido anos antes na Áustria. O culpado, Johann “Jack” Unterweger, que tinha sido capturado e preso. O assassinato de duas mulheres levou Schenner a uma prostituta, Barbara Scholz, que admitiu que ela e Unterweger raptaram uma das vítimas, a alemã Margaret Schaefer, de dezoito anos de idade, foi levada para um bosque, onde foi amarrada e assaltada. Unterweger queria sexo e, quando a menina se recusou, ele a espancou com um cano de aço até a morte. Ele então a estrangulou e deixou seu corpo nu na floresta coberto com folhas. No julgamento Unterweger confessou o crime, mas revelou que, quando ele atingiu a vítima estava tendo uma visão de sua mãe, que isso alimentou sua raiva e ódio, resultando nele continuar batendo até a vítima morrer. Unterweger foi declarado louco por um psicólogo que o descreveu como sendo um "psicopata sexual sádico com tendências narcisistas e histriônico, propenso a acessos de raiva e fúria, sendo ele um criminoso incorrigível “. O corpo da segunda vítima, Marcia Horveth, foi encontrado e também havia sido estrangulado, estava no lago Salzachsee perto de Salzburg. Unterweger negou a responsabilidade. Ele já estava cumprindo pena em prisão perpétua.Um dos aspectos mais bizarros e inquietantes deste caso é que, enquanto Unterweger estava sendo homenageado pelas classes culturais e convidado a festas da elite, ele também era convidado para dar sua opinião e conselhos sobre os mais recentes desaparecimentos de prostitutas.

 O assassino a esta altura já era conhecido como "O Mensageiro" e Unterweger não só participou de programas de televisão falando sobre o assunto, como entrevistou pessoas na rua. Na verdade, enquanto Unterweger estava nos holofotes de celebridade e vendo seus livros levantar a lista dos mais vendidos, ele continuava com sua obsessão brutal contra mulheres. Alguns investigadores da polícia já suspeitavam de Unterweger, mas tiveram de ser prudentes porque o ex-assassino era agora uma figura literária popular e símbolo de reabilitação da comunidade literal. Dr. Ernst Geiger, um detetive da polícia federal austríaca vigor estava convencido de que Unterweger era um homem reformado. A vigia era discreta sobre ele. Quando Unterweger foi convidado a ir para Los Angeles escrever artigos, não foi apenas Geiger que notou que os assassinatos pararam de repente. Ele percebeu que teria que analisar seriamente os movimentos de Unterweger e que era preciso prendê-lo para examiná-lo. Era apenas questão de achar a prova certa.

 A polícia começou a rastrear todas as atividades de Unterweger, cartões de crédito, aluguel de automóveis. Após vários meses eles tinham acumulado muitos links para os movimentos do homem e os lugares onde as vítimas tinham sido assassinadas. Registros mostram que Unterweger estavam em Graz quando Brunhilde Masser foi encontrada estrangulada e também em Bregenz, quando a vítima Heidemarie Hammerer desapareceu. Uma testemunha também disse que Unterweger era semelhante ao homem que tinha visto com Hammerer pouco antes dela desaparecer e que ele estava vestindo uma jaqueta de couro marrom e um lenço vermelho. Ligações de Unterweger com as outras vítimas em Viena também foram estabelecidas.Após o retorno de Unterweger para a Áustria, ele percebeu que agora era um suspeito, e começou a escrever artigos criticando os esforços da polícia para rastrear o assassino.

Porque muitas pessoas acreditavam que ele era uma pessoa curada e o apoiavam em sua cruzada contra a polícia. Era importante que Dr. Ernst Geiger recolhesse provas circunstanciais contra ele que pudessem o colocar nas cenas dos crimes. Dr. Geiger realizou testes forenses em uma BMW que Unterweger tinha comprado quando foi solto da prisão. Um fio de cabelo foi encontrado e os testes de DNA provaram que ele pertencia a Blanka Bockova, a primeira vítima de Praga. Esta prova permitiu um mandado de busca no apartamento do suspeito em Viena, onde descobriram uma jaqueta de couro marrom e um lenço vermelho. Eles também encontraram um menu e receitas de um restaurante de frutos do mar em Malibu, junto com fotos de Unterweger posando com membros do sexo feminino da Polícia de Los Angeles. Geiger, em um palpite, rastreou o que estava acontecendo em Los Angeles. Ele contatou a polícia de lá e descobriu que eles estavam no meio da investigação do assassinato de três prostitutas (Shannon Exley, Irene Rodrigues e Sherri Ann Long). Geiger descobriu que todos os assassinatos em LA foram idênticos aos da Áustria. Elas tinham sido mortas enquanto Unterweger estava na cidade.

Os hotéis onde ele estava hospedado eram perto de onde as prostitutas foram assassinadas. Uma evolução preocupante para a polícia era que Unterweger estava namorando, Bianca Mrak. Alertado por amigos que a polícia estava procurando por ele Unterweger deixou a Áustria com Mrak e conseguiu entrar em América. Ele então começou uma campanha para fazer o olhar como uma vítima de perseguição policial e fez contato com a imprensa austríaca. Unterweger manipulador conseguiu convencer jornais austríacos a publicar o seu caso para se defender. Fazendo o papel de homem injustiçado e vítima de uma vingança da polícia. Mrak revelou que estava feliz por estar com Unterwegger e a imagem criada foi a de que eles eram fugitivos enfrentando a perseguição da polícia austríaca que o escolheu como bode expiatório. Após ser perseguido por toda a Europa, Canadá e Estados Unidos, Unterweger ele foi finalmente preso pelo FBI em Miami, Flórida, em 27 de fevereiro de 1992.. A busca no apartamento de Unterwegger e Mrak em Malibu revelou muitos itens que poderiam estar relacionados com as prostitutas assassinadas em LA.

A polícia também recuperou um diário escrito por Unterwegger que sugeriu que ele tinha planos para assassinar Mrak. Unterwegger queria ser julgado na Califórnia como ele sabia que iria enfrentar uma acusação de assassinato contra apenas três vítimas ao contrário dos muitos, na Áustria. No entanto, ciente de que ele também poderia ir parar na câmara de gás, ele rapidamente concordou com a extradição. Unterweger foi deportado em 28 de maio de 1992. Antes de o processo judicial ser iniciado, o Dr. Geiger chamou Thomas Mueller, Chefe do Serviço de Psicologia Criminal no Ministério Federal do Interior, para acompanhá-lo na América e aprender tudo o que podia sobre a psicologia compulsiva dos seriais killers. Através de um estudo em Quantico, Virgínia, Geiger e Mueller descobriram que havia formas padrão de comportamento relacionados com os assassinos como Unterwegger, que também apresentava obsessões sexuais desviantes que seguiam um padrão. Embora a maioria dos assassinos em série raramente se desloca de um país para outro, detalhes das mortes de prostitutas de LA eram muito próximos aos da Áustria para ser mera coincidência. Em 29 de junho de 1994, Unterweger foi condenado à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional. Naquela noite, ele cometeu suicídio, enforcando-se com uma corda feita de laços e o pedaço de uma calça.

 O nó usado era idêntico ao utilizado nas prostitutas assassinadas. Ele morreu antes de puder recorrer da sentença, Unterweger é oficialmente considerado inocente, apesar do veredicto original de culpado, por falta do julgamento de recurso.


créditos: murderpedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário