segunda-feira, 9 de abril de 2018

Ronald “The Candy Man” O’Bryan

No dia 31 de outubro de 1974 Ronald Clark O’Bryan e seu vizinho levaram seus 4 filhos para brincarem de gostosuras ou travessuras em Pasadena, Texas. Tudo ia muito bem até que um vizinho estava demorando muito para abrir a porta, fazendo com que o grupo desistisse, porém Ronald como um bom pai persistiu e coletou para todos 5 Pixy Stix, doce comum nos Estados Unidos. Ao voltar ao grupo, o homem dividiu os doces dando 2 aos filhos de seu vizinho e também 2 aos seus filhos Timothy e Elizabeth, o quinto doce foi dado a um menino que passava por eles e lhes era conhecido, frequentava a mesma igreja.




Chegando em casa, o caçula pediu para comer alguns doces que havia ganhado naquela feliz noite e seu pai prontamente lhe deu o Pixy Stix. Assim que colocou na boca, o menino reclamou de um gosto amargo, seu pai então lhe deu outro doce para que aquela sensação ruim passasse. Porém tudo piorou, o menino correu para o banheiro, começou a vomitar e ter fortes convulsões até que ficou mole nos braços do pai. Timothy O’Bryan faleceu a caminho do hospital menos de uma hora depois de consumir o doce.

O acontecido apavorou os pais de toda a região, se um inocente doce havia provocado tudo aquilo, o que mais poderia acontecer através das balas e chocolates que seus próprios filhos haviam recebido? Para se proteger, aqueles preocupados pais entregaram a polícia cada um dos doces coletados como forma de evidência.

Logo foi descoberto através da autópsia do pequeno Timothy que aquele Pity Stix escondia uma dose letal de cianeto de potássio, rapidamente a polícia recolheu os outros 4 doces que haviam sido pegos por Ronald naquela noite. Felizmente, nenhum outro havia sido consumido, após análise detalhada descobriu-se que cada um daqueles 4 doces continha cianeto suficiente para matar de 3 a 4 adultos, cada um deles havia sido aberto, carregado com pó de cianeto e selados novamente com grampo. No início da investigação, Ronald dizia não saber em qual casa havia pego aqueles doces, porém isto era bastante estranho já que seu grupo havia visitado apenas duas ruas em função de uma forte chuva que acabou com o Halloween mais cedo.

Então as suspeitas sobre o homem se intensificaram quando foi descoberto que nenhuma casa havia comprado naquele dia das bruxas o doce Pixy Stix. Depois de muito pressionado, Ronald caminhou pelo bairro várias vezes com os policiais quando reconheceu a casa onde tinha parado, segundo ele o vizinho sequer ligou as luzes para lhe atender, apenas pôs o braço peludo por um vão da porta e lhe entregou os 5 doces. Logo a polícia descobriu que o dono daquela casa era Courtney Melvin, um controlador de tráfego aéreo que não chegou em casa naquela noite antes das onze horas, ele tinha cerca de 200 pessoas como álibi.

Depois de mais investigação foi revelado que Ronald tinha mais de 100 mil dólares em dívidas, ele era suspeito de roubo no trabalho, já havia estado em 21 empregos nos últimos 10 anos, perdeu sua casa, seu carro e era inadimplente em diversos empréstimos no banco. Também se descobriu que Ronald havia feito apólices de seguro de vida para seus filhos meses antes da morte de Timothy no valor de 10 mil dólares cada, então em setembro ele aumentou mais 20 mil dólares em políticas adicionais nas apólices de cada um, totalizando 60 mil dólares em seguro. Na manhã seguinte a morte do filho, Ronald ligou a sua seguradora para perguntar sobre como seria o resgate de todo este dinheiro. As investigações também mostraram que aquele terrível pai havia visitado uma loja de suprimentos químicos pouco antes do Halloween, porém desistiu após descobrir que o mínimo de cianeto vendido eram 5 quilos.

A teoria policial era de que Ronald O’Bryan tinha o plano de envenenar seus filhos para receber o dinheiro das apólices e tentar cobrir suas dívidas, os doces dados as outras crianças foram apenas uma cruel tentativa de não levantar suspeitas. O cruel psicopata foi interrogado diversas vezes, porém jamais confessou seu crime, a mãe das crianças não teve envolvimento com nada do que ocorreu.

Em seu julgamento, diversas pessoas testemunharam alegando que Ronald tinha interesse em cianeto há mais de dois anos, perguntando constantemente sobre seu funcionamento e que quantidade seria suficiente para matar alguém. Porém ele não desistia, sua defesa se baseava em dezenas de lendas urbanas sobre pessoas más que envenenavam crianças no Halloween através de guloseimas. A imprensa caiu em peso sobre o caso, apelidando o criminoso de O Homem Doce.

 Então, no dia 3 de junho de 1975 o júri levou 46 minutos para considerar O’Bryan culpado de assassinato e de quatro acusações de tentativa de homicídio, assim o condenando à morte. Pouco depois de condenado sua esposa pediu o divórcio e casou-se novamente, criando Elizabeth com todo o carinho do mundo. Ronald O’Bryan teve várias datas marcadas para sua execução, porém sempre conseguia adia-las entrando com recursos até que no dia 31 de março de 1984, pouco depois da meia-noite o homem foi executado através de injeção letal.

 Ele morreu ainda se dizendo inocente, sua última declaração foi que acreditava ser injustiçado, mas que perdoava a todos que estiveram envolvidos em sua morte.

créditos: tricurioso

Nenhum comentário:

Postar um comentário