segunda-feira, 25 de julho de 2016

5 casos de Ed e Lorraine Warren que podem inspirar Invocação do Mal 3

Antes de começar a postagem gostaria de dizer umas coisas, o blog está com quase 4 anos, eu sei que no início havia bem mais postagens e novidades quase todas as semanas, mas não foi só o blog que ficou mais velho como eu também e agora tenho estudar/trabalhar e quase não tenho muito mais tempo para ficar aqui e procurar assuntos interessantes, mas isso não quer dizer que é o fim do blog, ainda continuarei postando só não tão seguidamente. Agradeço a todos que ainda acessam o blog, sem vocês isso daqui não seria nada, amo todos vocês <3
 **
Como todos sabemos invocação do mal 2 estourou e o terceiro filme já foi confirmado, nesse post teremos alguns casos que podem servir de inspiração para o 3 filme.

A assombração da família Smurl

Jack e Janet Smurl se sentiram como prisioneiros em sua casa na Pensilvânia entre 1974 e 1989. A família experimentou ruídos inexplicáveis, mal cheiro e objetos se movendo. Conforme o tempo passava, a atividade paranormal piorou. O cão da família foi agredido fisicamente e sua filha foi empurrada por um lance de escadas. Em seguida, Jack e Janet começaram a ser rotineiramente abusados sexualmente por uma força invisível. A família tentou exorcizar sua casa, mas afirmou que os demônios apenas os seguiam onde quer que fossem. Os Warren, em 1986, apareceram para oferecer sua experiência, determinando que quatro demônios residiam na casa. Eles disseram ser demônios muito poderosos ao investigar e, após um exorcismo fracassado, conseguiram afastar os demônios através de oração constante. Um filme feito para a TV estrelando o ator de “Walking Dead” Jeffrey DeMunn foi feito em 1991 sobre suas experiências, mas o caso tem potencial para uma adaptação melhor para as telonas.



A colheita do Diabo

O chefe de polícia Jerry Seibert estava apenas respondendo a uma chamada de distúrbio doméstico de rotina quando ele entrou na casa de Maurice “Frenchy” Theriault em fevereiro de 1985. Ele ficou chocado ao encontrar Frenchy desmaiado em uma sala, coberto de sangue. Quando Seibert se aproximou de Frenchy, viu sangue sob seus olhos, sob a forma de uma cruz. Frenchy, um agricultor de tomate em Massachusetts, sabia que algo mal estava dentro dele. Ele já havia ido à delegacia para deixar todas as suas armas, apenas por segurança. Ele finalmente procurou a ajuda de seu sacerdote local, que logo chamou Ed e Lorraine. Os Warren e sua equipe notaram alterações de humor ao entrar a casa de Frenchy. Eles examinaram sua força incomum e outras atividades poltergeist. Depois de falar com Frenchy, descobriram do abuso que ele sofreu durante sua infância, e de uma vez, quando ele pediu ajuda a forças invisíveis. Os investigadores paranormais tinham certeza de que ele pediu a ajuda do diabo, e que ele estava possuído. Eles chamaram a assistência do famoso Bispo Robert McKenna, que realizou um exorcismo bem-sucedido.



O lobisomem de Londres

Este caso é baseado na história de Bill Ramsey, que demonstrou pela primeira vez o comportamento de licantropia com nove anos de idade. Aparentemente, ele mostrou força sobre-humana, até mesmo conseguindo arrancar um poste de sua base de concreto. Ele também tentou morder a sua família e parentes antes de ter convulsões. Em 1983 – agora um homem adulto – ele admitiu-se a uma instituição após afirmar que a possessão voltou, mas quando chegou no hospital, ele atacou uma enfermeira e latiu como um cão. Em 1987, durante a exibição de um comportamento de lobo, ele atacou um policial com força sobre-humana. Foram necessários mais seis oficiais para conter “a besta”. Ramsey voou para Connecticut para a ser exorcizado pelos Warren. Seis guarda-costas estavam presentes quando o exorcismo aconteceu e Lorraine descreveu que durante o evento as orelhas de Ramsey ficaram pontudas, suas mãos viraram garras e ele uivava como um lobo. O exorcismo funcionou e Ramsey nunca experimentou crises de raiva ou comportamento de lobo novamente.


O Julgamento do Demônio Assassino

Em 1981, Debbie Glatzel assistiu aterrorizada enquanto seu noivo de 19 anos, Arne Cheyenne Johnson, aproximou-se do proprietário de seu imóvel, Alan Bono, e cruelmente o esfaqueou várias vezes no peito, matando-o. Meses antes do assassinato, o irmão mais novo de Debbie, David, experimentou ataques violentos de raiva e comportamento inexplicável. Convencido de que David estava sob o domínio de algo mal, a família chamou os Warren para ajudar. Os Warren afirmaram que 43 demônios residiam no menino e eles começaram a visitá-lo regularmente. O casal realizou três pequenos exorcismos para livrar o menino da possessão. Durante o exorcismo final, Cheyenne Johnson provocou o demônio para vir para ele e possuí-lo em seu lugar. A partir desse momento, Debbie e os Warren afirmaram que ele foi possuído pelos mesmos demônios. Os Warrens teriam avisado a polícia local que uma tragédia aconteceria em breve, mas foram ignorados. Durante sua defesa no tribunal, Cheyenne Johnson afirmou que estava possuído por demônios quando assassinou Bono. O caso, que ganhou grande atenção da mídia, se tornou o primeiro caso conhecido de um acusado usando possessão demoníaca como justificativa nos Estados Unidos, e foi apelidado de “O diabo me obrigou a fazer” pela mídia.

 A assombração em Connecticut

Ed e Lorraine Warren foram os investigadores paranormais que disseram que a casa dos Snedeker estava infestada com demônios. Esta investigação foi realizada na década de 1980, a pedido de Carmen Snedeker. A família mudou-se para Southington, Connecticut, para que pudessem estar mais perto de um hospital onde seu filho estava sendo tratado de câncer. Carmen descreveu as aparições demoníacas: “Um dos demônios era muito magro, com maçãs do rosto altas, longos cabelos negros e olhos negros enquanto o outro tinha cabelos e olhos brancos, usava um smoking risca de giz, e seus pés estavam constantemente em movimento.”. Mais tarde descobriu-se que a casa era uma antiga casa mortuária com um passado trágico. Os ex-agentes funerários estavam envolvidos em necromancia e necrofilia com os cadáveres. Lorraine Warren disse mais tarde que o caso era “muito, muito mais assustador do que qualquer filme jamais poderia ser”, depois de assistir à adaptação “The Haunting in Connecticut” lançada em 2009. Lorraine diz que a casa foi liberta de qualquer presença após o exorcismo de 1988. Este é um dos casos mais famosos do casal e sem dúvidas merece uma adaptação para os cinemas melhor do que a feita em 2009.



Créditos: cinepop
 

 

3 comentários:

  1. Já estão pensando em fazer o 3? Nem vi o 2 ainda kkkkkkkk, mas parabéns pelas postagens, e esses assuntos são muito interessantes

    ResponderExcluir
  2. O dois e realmente muito bom

    ResponderExcluir