sábado, 13 de fevereiro de 2016

Origem Sombria dos Desenhos da Disney

Pinóquio malvado

Para começar, na história original Pinóquio mata o Grilo Falante, e a Fada Azul é um cadáver! Essas são apenas algumas das verdades do conto original de Pinóquio, que foi escrito pelo italiano Carlo Collodi em 1883 e teve várias adaptações até ser descoberta por Walt Disney.

Originalmente, Pinóquio foge assim que é construído e começa a andar. Gepeto o persegue e o encontra, mas é pego por um policial que o leva para a prisão, acreditando que ele está espancando o boneco. Quando Pinóquio retorna para a casa do Gepeto, ele encontra o Grilo Falante, que lhe diz que meninos impertinentes se transformam em burros.

Sem pensar duas vezes, Pinóquio lança um martelo no grilo e o mata instantaneamente. Afinal, onde já se viu um grilo falante e que ainda fica dizendo a ele o que fazer de sua vida? Depois de solto, Gepeto volta para casa e insiste que Pinóquio vá para escola. Porém, o boneco vende todos os seus livros para comprar um ingresso para um show de marionetes.


Nesse meio tempo, Pinóquio encontra a Fada Azul, que afirma que está morta e aguardando apenas que algumas pessoas levem o seu corpo. Depois, ele também encontra uma raposa e um gato malvados, que roubam seu dinheiro e o penduram em uma árvore, onde ele morre. Sim, ele morre, apesar de ser um boneco de madeira. Porém, os editores do livro de Collodi não ficaram muito felizes com esse fim e pediram para o escritor acrescentar uma segunda parte na história.

Nesta, a fada-cadáver resgata Pinóquio e eles começam a viver juntos (no sentido de amizade), mas o boneco retorna com suas maldades e se transforma em um burro. Então, ele é vendido para um circo, e a história já fica mais um pouquinho mais parecida com a qual conhecemos hoje. Mas apenas um pouquinho, pois ele é vendido para um músico que quer matá-lo e arrancar a sua pele para transformá-la em uma parte de um tambor.

O músico muda de ideia e resolve apenas matá-lo, jogando-o no oceano com pedras amarradas em seu pescoço. Como ele se afoga, os peixes comem a carne de seu corpo em forma de burro e jogam fora a sua estrutura de madeira.

Ainda vivo como boneco, Pinóquio nada para longe, mas é engolido por um tubarão gigante, em que ele encontra Gepeto. Enfim, os dois conseguem escapar, Pinóquio passa a se comportar bem e depois é recompensado se transformando em um menino de verdade.

Desmembramento de pessoas em Aladdin


Você assistiu ao terceiro filme de Aladdin (“Aladdin e Os Quarenta Ladrões”)? Nessa animação, Alladdin descobre que o líder dos quarenta ladrões é seu pai, Cassim, que depois desiste da vida bandida para presenciar o casamento de seu filho com Jasmine. 

Alguns conceitos para o filme foram inspirados na história Ali Babá e os Quarenta Ladrões, um conto das Mil e Uma Noites. Na versão original, Ali Babá aprende as palavras mágicas para entrar na caverna secreta dos ladrões, onde ficam os tesouros roubados. Lá, ele revela as palavras para o seu irmão Cassim, que corre para o lugar para carregar o máximo de ouro que conseguir.

Em seu entusiasmo, porém, ele se esquece das palavras mágicas para sair da caverna. Os ladrões voltam, encontram Cassim e o matam. Depois, eles dividem o seu cadáver em pedaços e colocam as porções desmembradas na entrada da caverna como um aviso para os futuros “ladrões de ladrões”.

Quando Ali Babá descobre o sinal de alerta macabro, ele recolhe as partes do corpo de seu irmão e os leva para casa. Ele pede a uma escrava, Morgiana, para deixá-los como se Cassim tivesse morrido de causas naturais. Morgiana encontra um alfaiate especializado, que habilmente costura os pedaços de cadáver de Cassim.

Cinderela homicida

A origem da história da Cinderela tem três versões diferentes. Uma foi do francês Charles Perrault, publicada 1697, que é praticamente aquela que conhecemos com a Fada Madrinha, a madrasta e suas filhas feias e invejosas, além do detalhe da carruagem de abóbora e sapatinho dourado (ainda não de cristal). Essa versão foi a utilizada para o filme da Disney e para a história dos livros infantis apenas com pequenas alterações.

Já na versão dos Irmãos Grimm, as filhas da madrasta são lindas, mas também são malvadas. Quem ajuda a Cinderela a se arrumar para o baile são uma árvore e pássaros encantados. Já a parte do sapato que deve servir no amor da vida do príncipe continua igual. Porém, no desespero para que os seus enormes pés caibam no sapatinho, as irmãs “postiças” da Cinderela cortam alguns dedos e parte dos calcanhares.

A farsa, no entanto, é desmascarada quando as aves encantadas da Cinderela apontam para o sangue nos pés das moças, avisando o príncipe. Depois disso, os olhos das irmãs são arrancados pelos pássaros como castigo.

Ambas as versões acima vieram de um conto ainda mais antigo, que foi escrito pelo italiano Giambattista Basile, mas foi publicado apenas em 1634, dois anos após a sua morte.

Batizada de “La gatta Cenerentola” (que é o outro nome conhecido da história: A Gata Borralheira), nesta versão a Cinderela de chama Zezolla e confidencia para a governanta da casa as crueldades que a sua madrasta faz com ela. A governanta então aconselha que Zezolla mate a mulher para resolver esse problema, quebrando o seu pescoço, e convença o seu pai a se casar com a funcionária.

Zezolla consegue matar a sua madrasta, e o casamento da governanta com o pai dela acontece. O problema é que, depois disso, a governanta leva suas sete lindas filhas que escondia para morar com eles, e o pai da garota perde o interesse na filha.

Com isso, todos começam a maltratá-la e ela é enviada para a cozinha para trabalhar como empregada. O resto da história discorre como um conto tradicional da Cinderela, mas é estranho saber que a mocinha foi originalmente uma assassina, não é verdade?

créditos: megacurioso

Nenhum comentário:

Postar um comentário