domingo, 7 de fevereiro de 2016

Abdução Alienígena de Ilkley Moor

O caso aconteceu em uma fria manhã de domingo de 1987, enquanto Philip Spencer, um policial aposentado, caminhava em Ilkley Moor, que fica em Yorkshire, na Inglaterra. Na verdade, Spencer havia se mudado para a região não fazia muito tempo — ele foi após deixar de trabalhar — para atender aos desejos de sua esposa, que queria morar mais próximo de sua família, e no dia do incidente ele ia a caminho da casa de seu sogro.

Acontece que Ilkley Moor é um local famoso pelo avistamento de luzes sinistras e OVNIs, e no dia do passeio, Spencer resolveu levar sua máquina fotográfica para o caso de que ele visse algo estranho.

E o ex-policial foi preparado, já que inclusive selecionou um filme próprio para a captura de imagens em condições de pouca luz e levou uma bússola para garantir que ele não se perderia pelo caminho. Afinal, como é comum na Inglaterra, Ilkley Moor costuma ficar encoberto pela neblina nas primeiras horas da manhã.

Pois, de acordo com Spencer, não é que, enquanto ele estava tentando encontrar um ângulo adequado para fazer algumas fotos em Ilkley Moor, de repente ele avistou uma criatura incomum através da névoa! Segundo disse, o ser estava em um dos declives do local, e o ex-policial teve a sensação de que seja lá quem — ou o que — fosse o humanoide, ele dava a impressão de que não queria que ninguém se aproximasse da área.

Perseguição

A criatura fugiu assustada, mas Spencer conseguiu clicar uma fotografia antes que ela desaparecesse. E lembra que Spencer era policial? Então, é claro que ele saiu correndo atrás do ser estranho para investigar. E é a partir daqui que a história fica ainda mais esquisita...

Fotografia clicada por Spencer


Depois de perseguir a criatura, Spencer disse que, para a sua surpresa, ele se deparou com um disco voador. O objeto contava com uma espécie de domo na parte superior e, quando o ex-policial se aproximou, ele levantou voo e desapareceu rapidamente no céu — o que não deu tempo a Spencer de clicar uma nova foto.

Spencer admitiu que saiu no encalço da criatura por puro impulso, e contou que não sentiu qualquer medo na hora. Após os estranhos eventos que o ex-policial testemunhou, ele se dirigiu ao vilarejo mais próximo para mandar revelar a foto e ver o que ele havia clicado afinal.

Entretanto, no caminho, Spencer percebeu que, em vez de apontar para o norte, a sua bússola estava indicando o sul. Além disso, o ex-policial também notou que, embora todo o incidente tivesse durado apenas alguns minutos, o seu relógio revelava um lapso de tempo de uma hora.

A abdução de Philip Spencer

Por azar, apesar do cuidado na escolha do filme, a fotografia clicada pelo ex-policial não saiu incrivelmente nítida. Contudo, ela registrou a presença de uma criatura no local, que condiz com o que Spencer recorda ter visto: um ser com cerca de 1,2 metro de altura e com pele verde azulada.

Com a imagem em mãos, o ex-policial entrou em contato com Peter Hough, um investigador de casos relacionados com OVINIs. Através dele, o material foi estudado por especialistas em vida selvagem, que disseram que a criatura não era de nenhuma espécie animal conhecida. O registro também foi encaminhado para os laboratórios da Kodak em Hemel Hempstead, na Inglaterra, e as análises revelaram que o ser estranho fazia parte da imagem original.



A fotografia inclusive chegou a ser avaliada por Bruce Maccabee, um físico especialista em óptica que havia trabalhado para a Marinha dos EUA, e ele, embora tenha ficado um pouco decepcionado com a falta de nitidez, também não negou a autenticidade da imagem. Ademais, Spencer decidiu se submeter a uma sessão de hipnose e, durante o procedimento, revelou que havia sido abduzido e examinado por seres alienígenas no interior da nave.

Surpreendentemente, durante a sessão, Spencer revelou que ele teria sido levado para o interior do disco voador antes de clicar a foto. Segundo descreveu, os seres não tinham nariz e seus olhos eram grandes, assim como suas orelhas que, ademais, eram pontudas. As criaturas também contavam com enormes mãos dotadas com três dedos longos, e seus pés eram estranhos, compostos por dois dedões. E, em vez de caminhar, os seres pareciam se arrastar.

Spencer ainda revelou mais um detalhe: enquanto esteve no interior da nave, ele teria visto dois filmes. Um deles mostrava cenas de pessoas famintas, muita destruição e lixo sendo jogado nas águas dos rios, ou seja, uma sequência bem parecida com a que normalmente vemos nos noticiários. No entanto, o outro mostrou uma série de coisas sobre as quais o ex-policial foi instruído pelos alienígenas a não comentar com ninguém.

Possíveis explicações

Existem diversas teorias que tentam explicar o caso de Ilkley Moor, e a mais conhecida delas seria que a suposta criatura alienígena clicada por Spencer era, na verdade, um corretor de seguros. O homem — vestindo uma capa de chuva azul e equipado com uma pasta de documentos — estaria visitando alguns clientes de bicicleta, e nem teria percebido que havia sido fotografado. Veja:



No entanto, vale destacar que o ex-policial não era do tipo de sair por aí inventando histórias. Além disso, ele nunca tentou ganhar dinheiro em cima do incidente e cedeu os direitos de uso da fotografia aos investigadores e ufólogos que se interessaram pelo ocorrido. Infelizmente, a imagem não é nítida o suficiente para provar que o seu relato é verdadeiro. Por outro lado, ela prova que Spencer clicou algo estranho em Ilkley Moor — e o caso continua sem explicação.

créditos: megacurioso

Nenhum comentário:

Postar um comentário