terça-feira, 10 de novembro de 2015

6 Histórias de Filmes de Terror que Acabaram se Tornando Realidade

Culto a morte em um Cartel mexicano

“Santa Muerte”, significa literalmente “Santa Morte” (Senhora da Noite, Senhora das Sombras). Sim, os católicos têm realmente um santo para tudo. O Vaticano distanciou-se oficialmente da Santa Muerte e a declarou uma blasfêmia. Entretanto, ela já foi adotada pelo submundo do crime mexicano como uma entidade que atenderia os pedidos mais obscuros. Ela nunca foi uma santa católica canônica. A Santa Muerte é um resultado da mistura da cultura católica americana e mitologia asteca.

Para ter os pedidos atendidos, as pessoas oferecem sacrifícios a Santa Muerte. A polícia mexicana encontra com frequência valas comuns de “ofertas” com imagens da santa, “santuários” em lugares desertos onde crianças e membros de carteis rivais são sacrificados em homenagem a santa. Às vezes, as únicas partes das vítimas encontradas são as suas cabeças, corações ou sua pele.

O jornalista que matava para escrever suas matérias

Em 2008, a Macedônia ficou em choque com uma série de assassinatos em série. Uma pessoa começou a estrangular mulheres velhas com um fio de telefone. Os detalhes sobre os assassinatos se espalham através dos meios de comunicação, principalmente através do trabalho do jornalista Vlado Taneski, que se tornou uma celebridade e múltiplo vencedor do prêmio de jornalismo devido à sua visão dos métodos do assassino.

Eventualmente, a polícia começou a investigar Taneski e descobriu alguns detalhes estranhos, tais como o fato de que todas as vítimas tinham sido amigos de sua mãe. Ele foi preso, e logo evidências de DNA mostraram que ele era o assassino. Taneski foi preso, mas nunca condenado pelo assassinato pois logo depois de sua prisão ele cometeu suicídio.



Um fantasma que levou os investigadores a descobrirem um cadáver

Em 2002 no Reino Unido, um motorista chamado Christopher Chandler saiu da estrada em que dirigia, caiu em uma vala e morreu. Não houve testemunhas nem sinais visíveis de um acidente na estrada. O único indício de que havia algo errado com Christopher era uma chamada feita do celular de Chandler após ele morrer e que não foi atendida por seu irmão.

Os destroços não foram descobertos até cinco meses mais tarde, quando alguns motoristas chamaram a polícia para relataram que um carro estava fora da estrada. Equipes de resgate correram para o local do acidente relatado, mas não encontraram nenhum vestígio de um acidente, até que um deles avistou um carro em uma vala, coberto por ervas daninhas e folhas.

Quando os socorristas chegaram nos destroços, eles esperavam encontrar a vítima viva mas só encontrara um esqueleto. Dizem que o fantasma de Chandler, frustrado pela falta de progresso no seu caso, realizou uma reencenação espiritual do acidente para que os motoristas achassem seu corpo.

Pássaros atacando uma cidade inteira

Em 1961, dois anos antes do filme de suspense “Os Pássaros” estrear, a área de Monterey Bay, Califórnia, esteve sob um ataque em massa de pássaros. Milhares de aves, particularmente gaivotas, começaram os ataques suicidas em casas no meio da noite. Pessoas infelizes o suficiente foram feridas pelos pássaros que voaram em direção à luz.

O comportamento estranho logo desapareceu, assim como quase todos os pássaros. Por 50 anos, o ataque foi deixado sem explicação, até que foi teorizado em 2011 que o culpado mais provável era algas tóxicas que contaminaram os alimentos das aves.

Os canibais que faziam salgadinhos com suas vítimas

Jorge Beltrão Negromonte da Silveira estava em uma relação poligâmica com sua mulher e namorada na cidade de Garanhuns. Eles mataram diversas pessoas que tiveram seus corpos transformados em tortas de carne, empadas e coxinhas e sabão que eram vendidos aos vizinhos locais, igrejas, hospitais e escolas.

Depois que os assassinos foram presos, descobriu-se que eles tinham desenvolvido o seu próprio pequeno culto, e tinham começado a matar pessoas como forma de “purificação”. Pelo menos, essa é a desculpa que eles deram às autoridades.

O Ventríloquo

Ronald Brown foi um titereiro que morava na Flórida e conseguiu um programa em uma rede de televisão cristã infantil chamado “Joy”. Apesar de ser horrível no ventriloquismo (sua boca, muitas vezes se movia claramente), Ron e Marty (o boneco) eram famosos ao longo dos anos 80 e 90.

Brown foi preso em 2012 depois de as autoridades descobrirem que ele tinha um acervo de pornografia infantil em seu computador. De acordo com diários descobertos em sua casa, ele expressou desejos de cozinhar e comer crianças e tinha elaborado um plano para matar crianças e corta-las em bifes. Felizmente, Brown foi jogado na prisão antes que ele pudesse realmente agir e machucar alguma criança.

créditos: fatosdesconhecidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário