domingo, 7 de dezembro de 2014

As Mortes Mais Bizarras pt.2

O homem que morreu enquanto homenageava um amigo morto

O base jump é considerado um esporte superperigoso – só para você ter ideia, são 242 mortes registradas desde 1981, então pense bem antes de se arriscar. O ator espanhol Álvaro Bultó Sagnier morreu em decorrência do salto perigoso. Em homenagem ao amigo, o chef Dario Barrio resolveu realizar o mesmo salto, mas acabou morrendo também.


O homem que morreu durante um protesto contra o uso de capacetes

Contrário à obrigatoriedade do uso de capacetes para motociclistas, Phillip A. Contos resolveu participar de uma manifestação contra o acessório, que nada mais era do que um desfile de vários motociclistas sem capacetes. Contos, que pilotava sua Harley, acabou sofrendo um acidente e, devido a uma pancada na cabeça, morreu.

O defensor dos alimentos orgânicos que morreu de ataque cardíaco

J. I. Rodale dedicou sua vida a estudar tratamentos medicinais naturais, além de ser um dos pioneiros na defesa da produção de alimentos orgânicos. Em uma de suas apresentações televisivas, em junho de 1971, Rodale disse que viveria até os cem anos e que nunca, na vida, tinha se sentido tão bem com relação à própria saúde.

Foi nessa mesma ocasião, enquanto estava sentado em um sofá conferindo a entrevista de outro convidado, que Rodale sofreu um ataque cardíaco e morreu, ao vivo, aos 72 anos.


O político japonês que se suicidou sem querer

Nitaro Ito estava com a popularidade em baixa em 1979 quando resolveu arquitetar um plano arriscado e, quem sabe por piedade, conseguir a simpatia do povo japonês.

Ito queria parecer machucado e, uma vez que estivesse convalescendo, iria fazer algum discurso que comovesse o público. Para isso, ele pediu para que um de seus homens de confiança desse um soco nele. Para deixar a cena de sofrimento mais crível, Ito resolveu fazer um corte em sua própria perna, para mostrar sangue. O plano deu errado e, sem querer, o político perfurou uma artéria e sangrou até morrer.

O ex-condenado à cadeira elétrica que morreu eletrocutado

Depois de conseguir se livrar do temido corredor da morte, Lawrence Baker nem imaginava que morreria de choque elétrico de qualquer forma. Era mais um dia comum em sua vida de presidiário quando Baker resolveu ir ao banheiro, onde acabou sendo vítima de um curto-circuito e morreu eletrocutado.

A mulher que morreu enquanto ouvia a música “Happy”

A história de Courtney Ann Sanford é triste e serve como alerta. Ann dirigia seu carro quando resolveu atualizar seu status do Facebook: “The Happy song makes me HAPPY” (“A música Happy me deixa FELIZ”, em uma tradução livre) dizia a publicação, que a jovem não fazia ideia de que seria a sua última.

Instantes depois, o carro de Ann bateu contra um caminhão e pegou fogo. Como a autópsia não encontrou sinais de álcool e drogas no corpo da jovem, a polícia acredita que o acidente tenha sido causado pela falta de atenção dela, que estava usando o celular enquanto dirigia momentos antes do acidente.

Empresário da Segway morreu em um acidente com um Segway

Segway é esse veículo bizarro da imagem acima, que já é bastante popular em alguns países e está ficando mais conhecido aqui no Brasil também. O que você talvez não saiba é que o dono da marca, Jim Heselden, morreu em um acidente enquanto usava um Segway. Ele perdeu o controle e acabou despencando de uma altura de quase 13 metros.

O advogado que morreu tentando provar que a janela do prédio era inquebrável

O advogado Gary Hoy resolveu fazer uma demonstração para um grupo de estudantes no prédio onde trabalhava, em Toronto, no Canadá. A demonstração em questão era sobre a qualidade do vidro da janela que, segundo Hoy, era inquebrável. Não era a primeira vez que o advogado se jogava contra a janela para provar o quanto ela era resistente, mas em julho de 1993 o teste falhou, o vidro quebrou e Hoy despencou do prédio.

O homem que morreu afogado em uma festa de salva-vidas

Era uma festa de salva-vidas, dedicada à primeira temporada sem casos graves de afogamento, em um parque de recreação em Nova Orleans. Lá, quatro salva-vidas comemoravam a ocasião com outros 100 convidados quando o corpo de Jerome Moody foi encontrado boiando na piscina.

 A mulher que morreu em seu próprio funeral

Depois de ter sido declarada morta vítima de um ataque cardíaco, a russa Fagilyu Mukhametzyanov acordou em seu próprio funeral. Assustada, a mulher começou a gritar histericamente e foi levada ao hospital, onde acabou morrendo “de novo”.

Créditos: megacurioso

Nenhum comentário:

Postar um comentário