domingo, 9 de novembro de 2014

10 Casos de Exorcismo Reais

Kamille Seenauth

Em 2005 Patricia Alvez foi condenada a 10 anos de prisão pelo assassinato de Kamille Seenauth em Georgetown, Guiana. Alves fundou a “Igreja do Espírito”, e muitas pessoas principalmente mulheres, a procurava para realizar exorcismos africanos ou no estilo Hindu. Espancamentos eram comuns durante os exorcismos e orações, um tipo de ritual usado para expulsar os espíritos invasores. No entanto, quando Kamille Senauth lhe pediu um exorcismo, Alves bateu nela com uma barra de ferro até que ela morreu. Ela enterrou o corpo mas os vizinhos avisaram a polícia depois de verem um pé saindo de um monte de terra em seu quintal.

Adolescente sem nome no Vaticano

O Padre Gabriele Amorth é o exorcista oficial da Diocese de Roma. Ele afirma ter realizado mais de 160 mil exorcismos, mas nenhum deles foi maior do que o exorcismo que ele alega ter ocorrido dentro dos muros do Vaticano no ano de 2000, ajudado por ninguém menos que o próprio Papa João Paulo II. O exorcismo foi realizado em uma menina de 19 anos de idade, depois que ela começou a insultar e arrotar durante uma audiência com o Papa. O Papa supostamente sentou-se com a menina por meia hora, mas de acordo com Amorth, auto-proclamado caçador de Satanás, a menina ficou possessa e o demônio ainda teve a cara de pau de murmurar: “nem mesmo o cabeça da igreja, pode me mandar embora“, logo em seguida o Papa se afastou derrotado.

 Janet Moses


Em 2007 na Nova Zelândia, uma jovem garota chamada Janet Moses morreu por afogamento, enquanto membros de sua própria família derramavam água em sua garganta. Nove pessoas foram acusadas de homicídio culposo, depois de Moses morrer em uma cerimonia indígena Maori de retirada de maldição, conhecida como makutu . Como os familiares não conseguiram retirar a maldição com encantamentos “karakia” na língua Maori, eles resolveram jogar água no rosto da menina.

A cerimônia durou três dias e  foi utilizada tanta água que inundou a cozinha. Há histórias conflitantes sobre a procedência do “espírito maligno”. Alguns dizem que aconteceu após o falecimento de sua avó. Outros dizem que um ancião Maori conhecido como “Kaumatua” avisou a família que enquanto o leão de pedra roubada pela irmã de Moses não fosse devolvido, sua irmã ficaria possessa. Mas apesar da devolução do leão a jovem continuou a agir estranhamente, o que levou à realização do exorcismo e, tragicamente a morte da jovem.

Salvador Dali

Diz a lenda que o famoso artista Salvador Dali passou por um exorcismo realizado por seu amigo íntimo Gabriele Maria Berardi . O frade morreu em 1984, e entre seus pertences havia uma escultura de Cristo na cruz. Antes de morrer, Berardi disse a seus amigos que Dali tinha dado aquela cruz para ele como agradecimento por realizar o exorcismo nele. Os dois se conheceram na França na década de 1940 após Berardi ter sido excomungado de sua ordem religiosa. O suposto exorcismo ocorreu em 1947.

Maricia Irina Cornici

Em 2005, Maricia Irina Cornici na época com 23 anos, se mudou para um mosteiro da Igreja Ortodoxa Romena em Tanacu para visitar seu irmão. Ela foi rapidamente acolhida no mosteiro, mas eventualmente ela tinha o hábito de rir durante a Missa, e os médicos de um hospital psiquiátrico local, diagnosticou Cornici com esquizofrenia.

Mas para o padre do mosteiro Corogeanu, isso não foi o suficiente, ele e inúmeras freiras do convento alegaram que ela estava possuída, e acorrentaram-na em uma cruz e a amordaçou com uma toalha, tudo na esperança de expulsar Satanás. Ela ficou em isolamento durante três dias inteiros em um quarto frio no convento até que morreu. Nos dias que se seguiram uma freira chamou a polícia, e então o padre Corogeanu e mais quatro freiras foram acusados ​​e presos. Padre Corogeanu dizia: “Você não pode tirar o diabo das pessoas com comprimidos”, ele foi condenado a 14 anos de prisão e o mosteiro foi fechado pela Igreja Ortodoxa.

Michael Taylor

O inglês Michael Taylor era um membro de um grupo local da Irmandade Cristã. Em 1974, Taylor começou a se comportar estranhamente com a líder do grupo, Marie Robinson. Ele era agressivo e muitas vezes demonstrava raiva sem motivo aparente. À medida que os meses foram passando, Taylor finalmente admitiu que sentia o Diabo dentro dele. Então o vigário local interveio e decidiu realizar um exorcismo em Taylor, a sessão durou a noite toda e parecia caminhar para um sucesso, com um total de 40 demônios expulsos dele. Mas infelizmente a história não termina aí, Taylor não acreditava mais que estava possuído, e acreditava que sua esposa de 29 anos estava.  E naquela mesma noite ele a assassinou brutalmente arrancando seus olhos e língua. Ele então correu pelado pelas ruas, coberto de sangue e gritando: “É o sangue de Satanás” Taylor foi absolvido do assassinato de sua esposa por razões de insanidade, mas foi condenado a passar dois anos em Broadmoor, um hospital psiquiátrico de segurança máxima.

Clara Germana Cele

Em 1906, na cidade de Umzinto na África do Sul, uma estranha  confissão foi ouvida pelo Padre Horner Erasmus. Clara Germana Cele,  católica e membro da missão Marianhill, disse ao Padre Horner que tinha feito um pacto com o Diabo. Cole tinha vivido na missão desde a idade de quatro anos, por isso o padre rejeitou as alegações da menina. Contudo Cole logo começou a se comportar de forma estranha. Ela começou arrancar suas roupas, rosnar e conversar com amigos imaginários usando linguagens que nunca tinha aprendido antes, ela também atacou violentamente as freiras  e soltou gritos terríveis que uma freira descreveu algo como “um verdadeiro rebanho de animais selvagens orquestradas por Satanás“.

Ela também mordeu uma freira, deixando marcas semelhantes às de uma serpente, vendo o estrago Padre Horner cedeu e realizou um exorcismo. Ele foi bem sucedido na expulsão do espírito maligno da Cole, mas o demônio anunciou que iria deixar o corpo de Clara apenas no momento da levitação e, bem na hora que Clara levitou o demônio saiu. O demônio voltou em janeiro de 1907, mas foi expulso mais uma vez para nunca mais voltar.

Robbie Mannheim

O exorcismo de Robbie Mannheim ou Roland Doe de 13 anos de idade, foi a inspiração para o clássico filme O Exorcista. O acontecimento real ocorreu em 1949. Robbie estava supostamente possuído depois de utilizar um tabuleiro Ouija durante os meses após a morte da tia. Após uma série de acontecimentos inexplicáveis e supostamente sobrenaturais, a família de Robbie perguntou ao reverendo Luther Miles Schulze para observar a criança.

Durante o período de uma noite, Schulze testemunhou a cama da criança vibrar, viu uma poltrona se virar ao seu lado e ouviu sons arranhando as paredes do quarto. Ele encaminhou o caso ao padre Edward Hughes, que realizou um exorcismo em Robbie. Durante o exorcismo, Robbie puxou uma mola da cama e esfaqueou o padre com ela. Hughes precisou de mais de 100 pontos para curar a ferida. Após um período de um pouco de descanso, o menino passou por um segundo exorcismo em St. Louis, que durou seis semanas. De acordo com testemunhas, a cama balançou e objetos foram atirados no quarto. Depois de jovem Robbie saiu ileso da situação e passou a ter uma vida relativamente normal, casando, tendo filhos, e se tornando avô.

Anna Ecklund

O livro Begone Satan escrito pelo reverendo e escritor alemão Carl Vogl, discute a posse de Anna Ecklund na virada do século 20. Ecklund nasceu em Iowa em 1882 e foi criada como católica. Os sintomas de possessão começou a aparecer quando Ecklund desenvolveu uma repulsa por objetos sagrados, se recusando entrar na igreja, e começou a falar sobre atos sexuais indecentes na idade de 14 anos. Ela foi enviada para ficar com sua tia Mina, uma mulher suspeita de ser bruxa. Muitos acreditavam que a possessão  se avançou em Ecklund porque sua tia Mina temperava sua comida com certas ervas. O Padre Teófilo Riesinger, um monge capuchinho de Wisconsin, administrou o primeiro exorcismo em Anna em 1912. No entanto, Ecklund foi possuída novamente em 1928, quase duas décadas após o primeiro exorcismo.

E mais uma vez o Padre Teófilo realizou o ritual, usando um convento próximo da propriedade de freiras franciscanas. Ecklund recusou o alimento abençoado oferecido a ela e assobiou como um gato. O exorcismo durou 23 dias, a menina era tão forte que teve de ser contida por seis freiras. Durante o exorcismo ela falou sem mover os lábios, urinou constantemente, insultou e provocou as freiras falando de suas vidas pessoais, e previu (incorretamente) que um dos sacerdotes presentes morreria em um acidente de carro. O exorcismo foi um sucesso e na manhã de 23 de dezembro de 1928, a possessão de Anna Ecklund finalmente cessou.

Anneliese Michel

Michel é considerada a verdadera Emily Rose. Vindos de Klingenberg, Alemanha, a família de Michel era obsessiva, altamente dedicada e extremamente católica. Era a década de 1960, e enquanto muitos dos amigos de Anneliese estavam bebendo e se divertindo, ela estava dormindo no chão frio de pedra como penitência para pagar os pecados de sua mãe (Anna Michel tinha dado à luz uma filha ilegítima em 1950).

Na idade de 17 anos, Anneliese sofria de convulsões e embora diagnosticado com epilepsia, alguns de seus sintomas não podiam ser explicados, como as alucinações auditivas que ela iria experimentar enquanto orava. Essas alucinações diziam que ela era “maldita” e que iria “apodrecer no inferno”. Em 1973, ela estava sofrendo de depressão grave e, embora tenha solicitado o exorcismo para o padre local que por duas vezes negou seu pedido.

As coisas começaram a piorar rapidamente, e Anneliese iria realizar 600 genuflexões em apenas um dia, dobrando compulsivamente os joelhos, resultando na ruptura dos  ligamentos. Ela latiu como um cão por dois dias, comeu aranhas, bebeu sua própria urina e comeu a cabeça de um pássaro morto. Anneliese mostrava sinais claros de esquizofrenia, mas ela e sua família se recusou a intervenção médica. Em vez disso, em 1975, Anneliese solicitado outro exorcismo e o bispo de Würzburg aceitou seu pedido.

Um padre local logo sugeriu que Anneliese estava possuída por seis espíritos demoníacos, incluindo Lúcifer, Judas Iscariotes, Nero, Caim e Adolf Hitler. Ela foi submetida a 67 rituais de exorcismo ao longo de nove meses e acabou morrendo de fome em 1976, em uma tentativa desesperada de se libertar das garras de Satanás. Suas últimas palavras foram: “Mãe, estou com medo“.

Os pais de Anneliese foram levados a julgamento pelo assassinato de sua filha e, junto com os dois sacerdotes rurais que realizaram o exorcismo foram considerados culpados de homicídio por negligência. Todos os quatro foram condenados apenas com seis meses de prisão e três anos de liberdade condicional. Sua mãe declarou que não se arrepende de seus atos e acreditava que sua filha teve que ser exorcizada, pois ela estava “tendo estigmas e que era um sinal de Deus“. Ela também declarou que “Anneliese  morreu para salvar outra alma perdida, para expiar seus pecados“.

O filme O Exorcismo de Emily Rose é vagamente baseado na história de Anneliese. E se você tiver coragem, pode ouvir uma gravação do áudio do exorcismo aqui.



Créditos: ahduvido

Nenhum comentário:

Postar um comentário