terça-feira, 24 de junho de 2014

Lugares Mal Assombrados no Brasil: Rio Grande do Sul

Desculpem os dias que eu fiquei sem postar mas é que eu estava doente ): Agora voltando ao normal mais um post sobre " Lugares Mal Assombrados no Brasil ", hoje sobre os gaúchos \o/


Lagoa dos Barros

 No caminho para as praias do norte do Rio Grande do Sul, mas precisamente entre Santo Antônio da Patrulha, existe uma grande lagoa que possui o nome dos primeiros patrulhenses, os Barros, cujo patriarca era Manoel de Barros Pereira.
Entre todas as lendas envolvendo a Lagoa dos Barros com certeza a mais difundida e também macabra nasceu de um fato verídico. O famoso assassinato que movimentou Porto Alegre em 1940, quando o noivo da jovem Maria Luiza matou-a e jogou seu corpo na lagoa amarrado a uma pedra.
Moradores dizem que já encontraram uma mulher de branco à noite perto da lagoa. Quando foram em sua direção, um vento fortíssimo começou a sacudir as árvores chegando a arrancar pedaços do solo. De repente, a figura sumiu sem deixar vestígio.
Outra história sobre a mulher de branco surgiu em 1958, quando dois caminhoneiros a viram andando na beira da estrada que margeava a Lagoa dos Barros, à noite. Estranhando encontrar uma mulher sozinha àquela hora eles pararam para investigar, mas a figura desapareceu.
As histórias sobre visões da mulher de branco que perambula pela lagoa a procura do seu noivo-assassino continuam se repetindo até hoje, às vezes assustando muitas pessoas. Crédito: estranhosfatos



Igreja Nossa Senhora das Dores

Localização:  Centro de Porto Alegre

História:  essa igreja fica no alto de uma vasta escadaria, na Rua da Praia (atual rua dos Andradas), no centro de Porto Alegre, bem em frente a alguns quartéis do Exército, entre eles a sede do Comando Militar do Sul.  É uma igreja centenária, construída por escravos.  O caso é que dois séculos atrás o lugar bem em frente  à igreja era o Largo da Forca, o lugar onde eram feitas as execuções dos condenados à morte. Exatamente onde era o cadafalso hoje tem uma pequena rua que separa dois quartéis, que talvez nem saibam que á sombra daquelas árvores frondosas que hoje há ali ficava a forca municipal, que era bem ativa durante o século 19.  Pois ali tem sombras, tem desencarnados, gemidos, vultos, tem de tudo.  Tem até as aparições de um escravo que foi injustamente acusado de roubar um colar da santa no altar enquanto trabalhava numa das torres, e que pouco antes de ser enforcado lançou uma maldição contra o lugar, a igreja e especialmente contra aquela torre da igreja, que seis meses depois desabou e teve de ser reconstruída. O lugar realmente tem manifestações espectrais ocasionais, mas impressionantes. Muita injustiça aconteceu naquele Largo da Forca. Créditos: danieldeavila


O fantasma de Bento Gonçalves

Local: Triunfo

História: Bento Gonçalves foi um dos lideres da Revolução Farroupilha que buscava a independência do Rio Grande do Sul do Império do Brasil.

Ele morreu em 1847 e seus restos mortais estão em um monumento túmulo na Praça Tamandaré no município de Rio Grande, porém pelo menos o que dizem as lendas, o espírito do combatente não conseguiu se livrar das lembranças de sua vida e assombra a casa onde nasceu na cidade de Triunfo-RS.


O local foi convertido em um museu com vários artefatos da Guerra dos Farrapos. Vários turistas que visitaram a antiga casa dizem ter avistado fantasmas do próprio Bento Gonçalves e de combatentes que morreram durante a guerra.



O Castelinho do Alto da Bronze

Local: Porto Alegre

História: No centro de Porto Alegre existe uma construção inusitada entre as ruas Vasco Alves e Fernando Machado.

Trata-se de um castelo construído, segundo a historia local, em homenagem a uma paixão vivida por Carlos Eurico Gomes. Dizem que a paixão era tão grande que ele manteve sua esposa por quatro anos sob uma vigilância rígida, a impedindo até de se aproximar das janelas do prédio.

O casamento se acabou e a garota acabou deixando seu marido.


Dizem que após permanecer tantos anos desabitado a construção se tornou assombrada, fazendo muitas pessoas evitarem de passar pelo local durante a noite. Talvez impressionados com a arquitetura medieval, mas alguns juram ouvir lamentos e barulhos de correntes vindo de dentro do castelo durante a noite.



Fantasmas no Museu Júlio de Castilhos

Local: Porto Alegre

História: O casarão do Museu Júlio de Castilhos, na Rua Duque de Caxias, nº 1231, foi construído em 1887 para servir de moradia ao Coronel Augusto Santos Roxo, no entanto, adquirido pela Comissão Executiva do Partido Republicano Rio-grandense (PRR), o prédio acabou sendo doado a Júlio de Castilhos que ali viveu com sua esposa, Honorina, e seus seis filhos.

A Fama de mal assombrado ocorreu após ocorrer duas mortes trágicas nas dependências do Museu Júlio de Castilhos - a de Júlio de Castilhos, em 1903, vítima de uma cirurgia, realizada em seu próprio quarto, para a retirada de um tumor; e a de sua esposa, Honorina, em 1905, que, inconformada com a morte do marido, se suicidou num dos aposentos da casa.

Com a abertura do museu a visitantes , cada vez mais relatos aparecem atestando a visão de fantasmas, figuras e sombras escuras circulando pelo local. Até mesmo os funcionários narram experiências assustadoras, certa vez um vigilante noturno pediu demissão apavorado por ver figuras aterrorizantes durante a noite.


Para reforçar a fama de assombrado o local anteriormente a construção do museu teria sido feita sobre o primeiro cemitério da cidade e até hoje os ossos estariam enterrados por lá.



Créditos: clubedosmedos

~Carol

Um comentário:

  1. vi uma mulher em branco no exercito em santo angelo rs numa nuvem com brisa e flores

    ResponderExcluir