sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Todos os cisnes se foram

Eu costumava sair de casa para fazer alguns passeios ao longo do canal ao lado de meu apartamento, acenava para os barcos que atravessavam aquele canal e olhava para a beleza dos cisnes. Eu costumava ouvir as crianças rindo no parque. Eu costumava comprar algo para o mendigo que morava debaixo da ponte, eu costumava chamá-lo de "Hobo Baggins", ele também costumava se recusar a me dizer seu verdadeiro nome. Sim, essa costumava ser minha rotina.


Está tudo mais "tranquilo" agora. Não vejo mais cisnes por aqui há dois anos. As embarcações foram abandonadas e marcadas com um aviso escrito em vermelho preso nas portas, e agora você raramente vê alguém passando pelas ruas. Depois do desaparecimento dos cisnes, a cidade começou a ficar coberta de cartazes de desaparecidos, de cães a gatos e vários outros tipos de animais. Os proprietários encontravam as partes dos seus corpos despejados e jogados atrás das casas ou na rua. Lembro-me que uma vez que eu encontrei algumas caudas de raposas na parte de trás do meu apartamento. Naquela época as chamadas de emergência, aquelas que informavam que algum lugar está sendo invadido, tocavam várias vezes. Por mais cruel que pareça, eu faria qualquer coisa para ouvi-las novamente.
A polícia começou a investigar os desaparecimentos que se relacionavam com o sumiço dos cisnes. Eles não puderam concluir o que os atacou. Os pedaços de animais que eram deixados, na maioria das vezes eram pequenos demais para identificar quaisquer marcas de dentes ou de garras de acordo com os jornais. As pessoas na cidade começaram a ficar com muito medo de sair à noite, convencidos de que algo poderia ter escapado de um jardim zoológico. Desde então eu comecei a ver um monte daqueles caras do controle de animais ao redor da vizinhança.
Uma noite, há um ano atrás, eu comecei a pensar mais nisso. Sempre houve atropelamentos na cidade, mas estava se tornando algo assustador, pois já havia se tornado comum você ver uma carcaça de esquilo descartada ao caminhar pelo parque, ou penas de aves espalhados pelo chão e os restos de um pato preso nas árvores. As autoridades nunca culparam um predador quando os cisnes foram todos embora. Antes isso era culpa das raposas. Agora eles sabem que não. Eu acho que o que quer que fosse, precisaria ter presas bem maiores.
Presas maiores. Liguei para a polícia no dia seguinte para relatar que "Hobo Baggins" tinha sumido, pois eu não o vi em minha caminhada habitual ao longo do canal. Eles disseram que não podiam fazer nada, e que talvez ele poderia ter se mudado para outro lugar. Quem poderia culpá-lo? Eu nem sequer sabia o seu nome real. Meses se passaram e as noites ficaram ainda mais silenciosas. Não havia mais os barulhos dos pássaros para nos fazer acordar de madrugada. Não havia nem mesmo bêbados tropeçando após uma noite de bebedeira. A maioria dos bares e restaurantes fecharam e as pessoas simplesmente não se sentiam mais seguras saindo de casa. A polícia ainda estava "investigando", mas eu nunca mais os vi na rua, assim como nunca mais vi qualquer pessoa.
Está cidade está muito solitária nas últimas semanas. Um monte de pessoas se mudaram para fora da cidade. Os únicos que permanecem não podem se dar ao luxo de deixar, assim como eu. Eu mal estou cobrindo as contas e não conseguiria bancar uma viagem dessas. Você só vê as pessoas durante o dia e elas sempre estão dentro de seus carros. Ao pôr do sol, não há mais ninguém nas ruas, todas as cortinas estão fechadas e as pessoas deixam suas luzes apagadas. Eles deixam o seu lixo bem longe de casa, mas não tão longe que possa bloquear a passagem ou as ruas
Pela manhã, os sacos estão em pedaços. Qualquer coisa comestível neles terá desaparecido. As ruas estão cheias de lixo que as pessoas tem jogado na rua, e o estado já parou de enviar homens para recolher. Eu telefonei para eles uma vez, mas a única resposta que recebi foi "Este serviço está suspenso devido à reestruturação de departamentos. Desculpe-nos o transtorno".
Na semana passada, eu recebi dois telefonemas. O primeiro era de meu chefe. "Não se preocupe em vir aqui. Estamos fechando a loja. Vou tentar deixar o seu último pagamento para você pegá-lo assim que eu puder." Ele fez uma pausa. "Eu eu vou tentar pagar uma indemnização por despedimento também. Use-o para sair da cidade." Eu nunca recebi esse dinheiro. A segunda chamada era do meu senhorio. Ele apenas deixou uma mensagem de voz. "Olá, [Nome Redigido] cancelei o débito directo, não me dê mais dinheiro. Eu me sinto mal em tomá-lo de você, por favor, basta sair da cidade." Nós todos sabemos o que deveríamos fazer. Talvez se eu tivesse recebido esse dinheiro do meu chefe eu poderia ter fugido, não que eu tinha para onde ir. Apenas sair daqui teria sido melhor do que ficar.
Eu fiz a minha última caminhada ao longo do canal na terça-feira. Quando me aproximei da ponte, notei algo na água. Um pedaço de uma caixa torácica flutuando dentro d'água. Eu espero que não pertença a quem eu estava pensando, mas eu sabia que era verdade. Liguei para a polícia. Eu já sabia o que iria ouvir. O oficial fazendo um rápido relatório sobre o incidente me dizendo para não tirar conclusões precipitadas, que um oficial vai investigar. Eu sabia que ninguém iria. Eu estava exausta, desgastada, sobrecarregada pelo conhecimento de que nada poderia ser feito. Ele nunca sequer me disse o seu nome verdadeiro.
Eu estava conversando com meu vizinho ontem, um senhor mais velho. Ele já vivia aqui quando me mudei. Ele estava no mesmo barco que eu, sem amigos, sem família, sem nenhum lugar para onde ir. Ele até mesmo tentou me convencer a sair. "Uma menina bonita como você deveria ir para longe daqui. Não precisa de nenhum dinheiro quando se é tão bonita assim", zombou. De qualquer forma, não havia mais ninguém por aqui para me levar a lugar nenhum agora.
"Ele está chegando mais perto das casas." Eu disse a ele, enquanto olhávamos para as nossas janelas do primeiro andar ao longo do canal.
"Sim... Você escutou os sons que ele faz? Eu nunca ouvi sons parecido vindo de uma raposa ou texugo." Ele continuou, olhando para fora da janela balançando a cabeça lentamente.
"Não. Eles não soam assim..." Eu olhei para fora da janela. As árvores ao longo da margem do canal tinham arranhões e estavam com os galhos quebrados, como se algo grande tivesse subido lá em cima. "Você viu o que aconteceu com a janela do piso térreo?"
"Sim". Ela tinha sido arrancada do quadro, deixando uma grande lacuna estampada na parede. O interior do apartamento tinha sido revirado, os móveis foram quebrados e havia sangue, cabelo, pedaços de carne e ossos por toda a sala da frente.
"Quem morava lá?"
Suas mãos tremiam enquanto ele falava: "Um homem que viva junto de sua filhinha. Se lembra? Você foi na casa dele uma vez, quando ele estava doente".
Eu não consegui responder.
"George" Meu vizinho disse: "Ele se chamava George". Ele fazia um gesto, enquanto colocava a mão nas marcas e arranhões que estavam no lugar.
Eu ia perguntar por que, mas porque se preocupar? "Com o que mais..."
A noite passada foi a pior de todas. Os gritos e uivos que eu ouvi não eram parecidos como nada que já tinha ouvido falar. Eu tinha deixado a minha janela aberta, mas como o fechamento cego, pois estava muito quente para dormir. Assim que estava prestes a cair no sono, eu ouvi passos pesados e um som de ronco. Eu congelei, apavorada. Eu podia sentir minhas pálpebras descascando para trás no meu crânio e o meu peito ficou frio, eu estava com medo. Minhas pernas e braços se retraíram em posição fetal, então eu esperei de costas para a janela.
Depois de alguns minutos, a sala inteira tremeu quando um baque pesado bateu na parede atrás de mim. Um rugido reverberou através de mim, quando um barulho de unhas arranhando algo começou. O som rapidamente se tornou mais pronunciado, mais cruel. A raspagem, rosnando, coçando, fui atrás de explicações menos assustadoras para tentar me tranquilizar. Poderia ser o vento, ou então as árvores, ou mesmo a chuva, poderia ser qualquer coisa, exceto o que era de verdade. "É isso", pensei. "Esta é a minha noite". Eu até mesmo pensei por um momento que ele poderia entrar aqui.
Eventualmente eu devo ter adormecido. Quando acordei na manhã seguinte, eu esperava que tudo poderia ter sido um sonho, um pesadelo. Então eu fui para fora ver o meu vizinho. A porta estava trancada e ele não respondia. Saí para ver se eu podia vê-lo através de uma janela. Então eu vi, do lado de fora da minha janela. Arranhões. Longas cicatrizes debaixo da minha janela. Não pareciam com qualquer outra coisa que eu tinha visto antes. Estou com medo neste momento. Não apenas assustada, não apenas preocupada. Eu estou muito medo. Liguei para a polícia novamente. Nem sequer havia alguém atendendo, havia apenas uma mensagem automática.
"[Localização Redigida] A Delegacia de Polícia é incapaz de processar chamadas neste momento. Aconselhamos os moradores a ficar com a família ou amigos que moram longe, se possível, enquanto investigamos esses eventos. Se isso não for possível, por favor, permaneçam dentro de casa e tranquem suas casas. Evite fazer viagens desnecessárias. Sob nenhuma circunstância deixe a sua casa de noite. Não investigue quaisquer ruídos ou eventos estranhos. Apenas mantenha a calma, estamos investigando".
Quer saber, eu estou feliz por eu não ter visto isso. Fico feliz por ter ouvido apenas os arranhões e barulhos, e pegadas de sangue espalhadas no canteiro. Eu estou acostumada a viver com medo agora, mas eu também não quero viver com pesadelos. Seja lá o que for, está ficando maior. Como é que algo tão grande poderia andar por aí sem que ninguém o veja?
Então aqui estou eu. Tenho certeza de que este é o meu último dia por aqui, e enquanto eu ainda tenho um meio para me comunicar com o mundo exterior, estou lhe contando tudo isso. Tudo o que aconteceu aqui. Sobre como estava sendo fácil para mim manter a minha cabeça na areia e dizer a mim mesma que nada disso estava acontecendo, mas a verdade é que eu estou presa aqui. Está provavelmente a última coisa que alguém vai me ouvir dizer, então dou um aviso.
Se você ouvir falar de uma pacata cidade, famosa por seus belos canais e cisnes, não vá até lá, pois todos os cisnes se foram.



Fonte: All The Swans Are Gone
~ Rebian

Nenhum comentário:

Postar um comentário