segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Seres do Silêncio

Cheguei em casa, como faço todo dia me atirei na cama e liguei a TV, afinal, ir a escola de 7 da manhã as 1 da tarde, e ir pro curso das 3 da tarde a 9 da noite não é pra qualquer um, tudo que eu queria era apenas um descanso, mas não temos tudo que queremos.

Eu liguei a TV e começei a andar pelos canais, quando *puf* a luz acabou... no momento em que a escuridão tomou conta do meu quarto, eu não tinha preocupações e nem medo, o unico susto que tomei foi meu pai me perguntando se eu precisava de uma vela, respondi que não pois o escuro não me assutava como antigamente, foi quando eu vi vários olhos brancos em volta de mim, muitos e muitos olhos brancos, eu só conheguia enxergar os olhos, não os reconheci mas fiquei paralisado de horror e naquele momento parecia que meu corpo me avisava que eu devia correr.

Um deles parecia se aproximar e fez um gesto de silencio com a mão, naquele momento eu percebi que não eram parecidos com nada que eu já tenha visto.... sua pele era pálida e parecia velha, apodrecida, como se alguem tivesse pego varias peles diferentes e costurado elas juntas, quando ele abaixou sua mão após o gesto, eu pude ver parte de seu rosto, ele parecia ter sido queimado, mas parecia que o gosto já era assim, não tinha nem cicatrizes nem queimaduras, apenas apodrecido e deformado.

Eles somente sumiram quando viram uma luz se aproximando.... era meu pai, eu estava feliz por ele ter trazido aquela vela para mim, mesmo eu dizendo que não precisava.

No dia seguinte, continuei pensando no que seria aquelas criaturas e o que queriam de mim, novamente após chegar do curso me atirei na cama e liguei a TV, e mais uma vez aquilo aconteceu... naquele silêncio que contaminou o quarto todo, pude ver seus rostos e todos me encaravam... a pior parte é que estou sozinho hoje...

Agora me tornei um deles, apenas observando, surgindo apenas quando o silêncio ecoar na escuridão...

Apenas observando... você...

Créditos: Wiki Creepypasta Brasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário