quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Lendas Sinistras da 2ª Guerra Mundial

 A Segunda Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945, foi o conflito mais sangrento e mortífero da história da humanidade. Não surpreende, portanto, que tenham surgido muitas lendas urbanas e fatos misteriosos relacionados a esse sombrio período Aqui vão algumas:



O Relatório dos Mortos

Três pilotos dos aviões bombardeiros Douglas DB-7 Boston, após uma missão de bombardeio contra defesas alemãs, voltaram para a base com o terror impresso em suas faces. O oficial que os recebeu, mandou que eles fizessem logo seu relatório e depois os dispensou para que fossem tomar uma cerveja.

Minutos depois, o oficial recebeu a notícia de que os três pilotos haviam morrido em missão. Foi verificar e não os encontrou mais, porém os relatórios estavam lá, prontos... esse caso é muito interessante, pois deixou provas físicas da manifestação dessas três almas atormentadas, que mesmo depois de mortos redigiram o relatório que continha a forma como morreram em missão. O caso permanece um mistério até hoje.

A Almas do Pacífico Sul

Todas as batalhas da Segunda Guerra Mundial travadas no Pacífico Sul foram sangrentas e impiedosas. E talvez para alguns o pesadelo ainda não tenha terminado. No fim dos anos 50, um repórter da BBC de Londres noticiou que havia uma casa em Kuala Sengalor, na Malásia, outrora ocupada por oficiais japoneses, onde ainda se ouvia o ecoar de botas militares pesadas. Outras fontes informaram que pescadores da ilha filipina de Corregidor, ferozmente disputada, continuavam a ver batalhas espectrais durante anos após o término da Guerra.

É como  se esses soldados fantasmas estivessem perdidos num lapso temporal, repetindo eternamente o mesmo ato que ocorreu no momento de suas mortes.

Os Eternos Soldados do Canhão Anti Aéreo

Na primavera de 1944, o porto de Hollandia foi o palco de uma grande invasão aliada. A ilha, ocupada pelos japoneses, era um trampolim para as Filipinas e foi atacada pelas forças do General Douglas MacArthur. Pegos de surpresa e vencidos, os soldados japoneses fugiram para o leste e os aliados entraram na ilha. Os moradores disseram que alguns dos japoneses ficaram... pelo menos em espírito.

Em 1956, a Reuters noticiou que os moradores de Hollandia tinham pedido que fosse feito um exorcismo num canhão anti-aéreo abandonado na praia. Diariamente, à meia noite, segundo eles, alguns fantasmas de soldados japoneses esqueléticos com capacetes enferrujados apareciam para manejar o velho canhão, e ficavam de vigília à espera de um ataque aliado. E isso se repetia todas as noites!

Normandia Negra

Segundo relato de um oficial da marinha que não se identifica, no ano 2000 o navio em que trabalhava estava em Le Havre, na França.Então, por volta de 23:45 dessa noite, ele foi até a ponte trocar de turno com o companheiro. Essa troca de turno é conhecida como troca de túmulo, graveyard shift na marinha.

Havia previsão de ventos fortes para aquela noite, e devia-se esperar que o navio batesse em alguma carcaça da Segunda Guerra Mundial, já que existem muitas espalhadas naquele ponto. O mestre disse a ele que ficasse de vigia, pois falava um inglês fluente e seria a melhor pessoa para se comunicar com o porto e ouvir informações de lá, se fosse necessário.

Então começou o turno dele e a madrugada foi passando. Então ele afirma que cochilou, e começou a ter um sonho vívido, segundo descreveu, incomum, assim como era estranha sua lembrança nítida ao acordar. Em seu sonho ele viu um pelotão de cinco ou seis homens vestidos em uniformes americanos da Segunda Guerra, e jaquetas padrão de inverno.  Era uma tarde um pouco nebulosa, e estava tudo muito tranquilo. Não havia sinal de conflito em nenhum lugar. Era apenas uma estrada enlameada com árvores altas, em uma pacífica zona rural e este pequeno grupo de soldados marchando.

Eles estavam marchando de forma relaxada, tranquila. Um deles era um oficial, esse detalhe ficou claro por causa da faixa branca na parte frontal do capacete. Eram todos jovens, nenhum tinha mais de 25 anos. Todos estavam armados com exceção do oficial.

Os soldados tinham expressões graves e sombrias. Pareciam ter os olhos fixos em algo à frente, na estrada. Pareciam não ver a testemunha e estavam marchando em sua direção. O pelotão chegou cada vez mais perto e parou. Então o oficial disse: " Normandia Negra."

Então o cenário mudou, e ele viu algo que parecia ser uma base americana, e ele sabia que estava em algum lugar da França. Ele viu cerca de 150 soldados, divididos em três colunas, totalmente alertas. E eles gritavam: " Glória! Glória! Glória! "

Após esse estranho sonho, a testemunha pensou que nada se encaixava. Primeiro, ele não era um nativo de língua inglesa.Como ele poderia ter sonhado em inglês? Segundo, ele nunca se lembrava de seus sonhos. A testemunha está convencida de que teve uma visão fantasmagórica do passado, quando os americanos invadiram a Normandia.

O Holandês Voador

Existem várias versões para a origem desse famoso navio fantasma. A mais popular é baseada num registro datado de 1680, sobre um navio real que arpou de Amsterdã e foi atingido por uma tormenta no Cabo da Boa Esperança. O capitão blasfemou contra Deus e por isso foi condenado a vagar pelos mares até o dia do Juízo Final, atraindo outros navios para a destruição. Segundo as testemunhas que avistaram o Holandês Voador, os marujos e o capital têm corpo de homem e cabeças de peixe, o navio veleja contra o vento e possui uma velocidade fora do comum, não dando chance para que as outras embarcações escapem. Além disso, avistá-lo sempre é sinal de má sorte.

Durante a Segunda Guerra, o contra- almirante nazista Karl Donitz, comandante general  da Alcatéia de Submarinos, informou a Hitler que uma de suas tripulações havia se rebelado, e não iriam participar de uma batalha de corso em Suez, local alvo nazista, pois tinham avistado o tal navio fantasma amaldiçoado, o Holandês Voador, e isso era um mal sinal, pois em mar que o Holandês Voador navega, carrega consigo a destruição. O que foi acatado com muita naturalidade, tanto pelo Almirante Donitz como por Adolf Hitler, que se interessava por ocultismo, e dizem que depois disso ele mandou uma equipe para caçar o tal navio fantasma.

Créditos: sobrenatural

Um comentário:

  1. Gostei dessas histórias. E o primeiro tem provas concretas. LOL

    ResponderExcluir