sexta-feira, 12 de julho de 2013

Conheça as síndromes mais bizarras

Estava dando uma olhada pela internet e me deparei com umas síndromes bem estranhas e que algumas delas são até confundidas com possessão, vamos lá:

Síndrome de Tourett: O início da síndrome geralmente se manifesta na infância ou juventude do indivíduo, tendo como sintomas: piscar, franzir a testa, contrair os músculos da face, balançar a cabeça, contrair em trancos os músculos abdominais ou outros grupos musculares, além de movimentos mais complexos que parecem propositais, como tocar ou bater nos objetos próximos. Infelizmente ainda não há cura.


 Síndrome de Moebius: síndrome de Moebius é uma doença neurológica rara que está presente no nascimento. Pessoas com a doença são incapazes de mover seus rostos (eles não podem sorrir, franzir a testa, chupar, fazer caretas ou piscar os olhos) e é incapaz de mover os olhos de lado a lado. Pode haver problemas esqueléticos, bem como, causando mão / pé anomalias, tais como pés de clube. Problemas respiratórios, de fala e deglutição, deficiências visuais, transtorno do processamento sensorial, distúrbios do sono, e força corpo fraco superior podem também estar presentes. Aproximadamente 30% das crianças com síndrome de Moebius estão no espectro do autismo.


Síndrome de Cotard: Quem sofre dessa doença tem o hábito de achar que é um morto-vivo. As pessoas que sofrem da síndrome do cadáver ambulante tem a peculiaridade de acharem que estão mortas. Eles também têm o hábito de achar que estão apodrecendo, acham que todo mau cheiro do mundo vem deles e que partes de seu corpo – internas ou externas – se perderam. Tirando isso, são gente boa. Claro: nas ocasiões em que eles admitem que existem, porque, na maioria das vezes, eles pensam que não existem não. É conhecida como Síndrome de Cotard por causa de Jules Cotard, o neurologista francês esta é uma síndrome que é resultante de dano cerebral ou de distúrbio mental.

Síndrome de Coprolalia: Coprolalia é a tendência involuntária de proferir palavras obscenas ou fazer comentários geralmente considerados socialmente depreciativos e, portanto, inadequados. Coprolalia pode fazer referência a excremento, genitais ou atos sexuais. Coprolalia é uma característica rara de pessoas afetadas pela síndrome de Tourette e pela síndrome de Lesch-Nyhan. Coprolalia é um termo emprestado do idioma grego (ou κόπρος) que significa “fezes” (dejetos fecais) e λαλία, que significa “tagarelas, conversa sem sentido”. Coprolalia comporta todas as palavras e frases que são consideradas tabus sociais ou que são tidas como inaceitáveis fora de certos contextos. O termo coprolalia não é utilizado para descrever xingamentos contextualizados. Coprolalia geralmente é expressada fora de contexto social e emocional. A cadência, o tom e o nível da voz podem ser mais diferentes do que ocorre normalmente na pessoa afetada por essa condição. A verbalização de palavras tidas por obscenas em grande maioria dos casos tem que ver com o contexto psìquicoemocional a que o indivíduo acometido pelo distúrbio possa estar inserido. Em certos casos a pessoa com coprolalia consegue repetir as palavras características de sua condição em sua mente. No entanto, essas subvocalizações podem ser extremamente angustiantes.


Síndrome Maldição de Ondina: O nome bizarro é uma referência a Ondina, ninfa das águas na mitologia pagã européia. A doença, mais estranha ainda, faz com que as vítimas percam o controle da respiração.  Se não ficar atento, o sujeito simplesmente esquece de respirar e acaba sufocado! A síndrome foi descoberta há 30 anos e já existem cerca de 400 casos no mundo. Pesquisadores do hospital Enfants Malades, de Paris, acreditam que a doença esteja relacionada com um gene chamado THOX2B. O sistema nervoso central se descuida da respiração durante o sono e o doente precisa dormir com um ventilador no rosto para não ficar sem ar!

Síndrome de Capgras: Após sofrer uma desilusão com o cônjuge, com os pais ou com qualquer outro parente, a pessoa passa a acreditar que eles foram seqüestrados e substituídos por impostores. O sintoma por vezes se volta contra a própria vítima: ao se olhar no espelho, ela também acredita que está vendo a imagem de um farsante. Neurose total! O problema tende a atingir mais pessoas a partir dos 40 anos e suas causas ainda não são conhecidas. A síndrome foi descoberta pelo psiquiatra francês Jean Marie Joseph Capgras, que a descreveu pela primeira vez em 1923. Em graus mais extremos, a vítima acha que até objetos inanimados, como cadeiras, mesas e livros, foram substituídos por réplicas exatas.

Fontes: AhDuvido e nadaqueseaproveite

3 comentários:

  1. Daora, curti muito esse post. A última síndrome, eu sentia algo parecido quando era criança, kkkk

    ResponderExcluir
  2. Tenho síndrome de Tourett ( estou toda hora mexendo as mãos )

    ResponderExcluir